Sede do CREA-PR

Local
Curitiba, Brasil
Ano
2009
Descrição

Explorou-se a leveza estrutural, o movimento de formas e superfícies, a permeabilidade visual, a flexibilidade dos espaços e o emprego de soluções sustentáveis que equilibram as questões ambientais com os aspectos sociais e econômicos da localidade onde o edifício será inserido. Acreditamos que o projeto que aqui se apresenta faz jus ao CREA do século 21, propondo soluções que se adequam ao dinamismo das tecnologias, à democratização das gestões, aos princípios de acessibilidade universal, de respeito ao meio-ambiente e à cidade.

O lote estreito e a necessidade de recuos laterais para estacionamento e acesso ao subsolo motivaram a criação de uma estrutura metálica em balanço que deixa boa parte do edifício pairando sobre o terreno. Um volume leve, que destaca o acesso monumental e a permeabilidade visual na porção frontal do lote.

O partido pode ser dividido em três. A primeira parte abrange o térreo – que recebe o plenário –e os subsolos. O plenário tem estrutura independente em relação aos andares superiores, permitindo um grande vão. Anexo ao plenário ficam áreas de apoio e setores de serviço que se estendem aos níveis inferiores, junto às garagens.

A segunda parte, recuada em relação à testada, compreende o nível de acesso – ao qual se chega por uma grande escada ou pelas rampas – e o 3° andar com mezanino. No primeiro nível ficam a recepção e a regional, no mezanino ficam a agência bancária – um volume sobre o pé direito duplo da recepção – a gerência e o departamento de fiscalização da regional. Na porção oeste da planta optou-se por painéis de vidro protegidos pelo balanço do volume superior. A porção leste, voltada para a parte posterior do lote recebe painéis de vidro e muxarabis metálicos para filtragem da luz do sol.

A terceira parte é composta pela grande treliça que sustenta os cinco pavimentos acima do mezanino. Os dois primeiros pavimentos da treliça se estendem por toda a profundidade ocupável do lote, a partir do 6° andar um recuo foi criado na parte frontal para receber um jardim suspenso.

A fenestração dos pavimentos contidos na treliça tem modulação de 60cm, com janelas tipo guilhotina de 1 e 2 módulos. Entre as janelas, paredes duplas de mesma modulação servem de anteparo para os painéis metálicos de correr que protegem a fachada. Na orientação sul não há painéis de correr. Os espaços voltados para oeste recebem janelas com brises verticais que se projetam sobre o jardim suspenso. A fachada leste possui apenas alguns rasgos horizontais.

A circulação vertical se concentra numa torre que abriga elevadores, escadas enclausuradas, sanitários, shafts e hacks dos servidores. Entre os níveis do plenário e do salão de eventos uma escada aberta liga os espaços de reunião e recepção.